Vinificação

  • Charles Symington (esq) e Bruno Prats (dir), produtores de vinho

  • Fundo de casco na Quinta de Roriz

  • Uvas acabadas de pisar

  • Prato de homogenização

  • A nova adega - vinhos Douro DOC

  • Luis Coelho, enólogo e viticultor

  • As caves da Quinta de Roriz

  • As caves da Quinta de Roriz

Vinificação

O CHRYSEIA e os seus parceiros POST SCRIPTUM e PRAZO DE RORIZ são hoje produzidos na adega seca da Quinta de Roriz especialmente concebida para o efeito. Após um rigoroso processo de selecção, desengace e esmagamento dos cachos, o mosto é transferido para pequenas cubas em aço inoxidável (equipadas com controlo de temperatura) onde tem lugar a fermentação. A extracção dos taninos é efectuada por remontagem e maceração prolongada pós-fermentativa. A principal preocupação é o respeito pela essência das uvas e, ao mesmo tempo, a obtenção dum equilíbrio com finesse, que seja leve e privilegie os taninos elegantes e sedosos. Embora o processo de vinificação seja gerido no local por Luís Coelho, sob a supervisão de Pedro Correia, Charles Symington e Bruno Prats participam pessoalmente na elaboração dos lotes finais e em todas as etapas importantes, que vão desde a vinificação ao estágio.

O estágio é efectuado nas caves da Quinta de Roriz, em pipas de carvalho seleccionadas anualmente em tanoarias francesas, entre as quais se incluem a Taransaud, François Fréres, TSO e Boutes. De forma a evitar o excesso de aromas de madeira que poderia comprometer a finesse aromática do vinho, o CHRYSEIA é submetido a um curto estágio, entre oito e doze meses, em pipas de carvalho novo, conforme o ano. São utilizadas pipas maiores, com uma capacidade de 400 litros, para reduzir o rácio superfície/volume. Os vinhos POST SCRIPTUM e PRAZO DE RORIZ utilizam normalmente uma percentagem menor de carvalho novo; o PRAZO DE RORIZ amadurece principalmente em barris com dois anos. O engarrafamento é efectuado em Vila Nova de Gaia, no moderno centro de engarrafamento da família Symington.

Na Quinta de Roriz é produzida anualmente uma pequena quantidade de Porto Vintage de elevadíssima qualidade, nos tradicionais tanques de granito de pisa a pé, conhecidos como lagares. Em anos excepcionais, como o ano de 2007, a PRATS & SYMINGTON procederá ao engarrafamento e comercialização de uma quantidade muito limitada de QUINTA DE RORIZ PORTO VINTAGE.

Impresso em chryseia.com
full image